2612

Prefeitura Municipal de Itajuípe

Pular para o conteúdo

Coronavírus: prefeito de Itajuípe fala sobre cinturão regional para evitar contaminações no interior

Fonte: Jonal A Tarde
15/06/2020 às 16h24

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


Bianca Carneiro* e Filipe Ribeiro* -

Quatro municípios do interior da Bahia se uniram para bloquear a entrada de pessoas e veículos afim de evitar contaminações do novo coronavírus. A chamada Zona 4, formada pelas cidades de Almadina, Itapitanga, Coaraci e Itajuípe fazem uma espécie de ‘cinturão’ regional, bloqueando as vias de acessos às cidades. Apenas a entrada de Itajuípe, a 303 km de Salvador, segue aberta.

As cidades decretaram medidas de prevenção. Em Itajuípe, por exemplo, as ações começaram no dia 17 de março com suspensão das aulas públicas e privadas. No dia 23 foi anunciada a suspensão do comércio por, no mínimo, quinze dias. O prefeito da cidade Marcone Amaral, explicou, em entrevista ao Portal A TARDE, essa e outras medidas adotadas.

“Fizemos um cinturão de fechamento regional para que não houvesse a penetração das outras cidades. Essas quatro cidades só estão funcionando com uma entrada pela BR-101, em Itajuípe, onde fizemos uma barreira sanitária com triagem, medindo a temperatura das pessoas”, explicou.

Na Zona 4 há também uma espécie de questionário para saber sobre a chegada e o destino das pessoas que passam por esses bloqueios. Marcone destaca que os prefeitos Jadson Albano, de Coaraci, Milton Cerqueira, de Almadina e Ró de Beto, de Itapitanga, além dele, estão construindo unidades de acolhimento em cada cidade para receber e isolar pacientes com suspeitas de contaminação da Covid-19.

O prefeito ainda destacou que a população de Itajuípe entendeu as medidas e elogia a iniciativa. “A população está bem consciente em Itajuípe. No interior, algumas pessoas têm dificuldade de entender a quarentena. Mas a gente percebe que diminuiu muito o fluxo na cidade. A barreira tem sido elogiada pela população, e a união dos quatro municípios tem tido uma aceitação muito boa da população”, pontuou.

*Sob supervisão da editora Keyla Pereira